Fundação Palmares: novo presidente é um retrocesso.

Fundação Palmares: novo presidente é um retrocesso.

29/11/2019 0 Por Casting Black

Arquivo pessoal. Reprodução Facebook

Reprodução do Blog do Vicente em Correio Braziliense

“Quer as pessoas aceitem ou não, nós vamos rachar o que o Brasil entende de cultura.” A frase vem sendo dita na Secretaria Especial de Cultura sob a gestão do novo titular, Roberto Alvim. Com carta branca e anuência do presidente Jair Bolsonaro, ele vem reestruturando a pasta ao bel-prazer, negando espaços até mesmo a apadrinhados políticos do Congresso. Dessas mudanças vieram a nomeação de Sérgio Nascimento de Camargo para a Presidência da Fundação Palmares, que classificou a escravidão como “benéfica para os descendentes”.

A promessa da nova gestão na cultura nacional é não mandar mais recursos para movimentos classificados como “de esquerda”, a fim de atender somente projetos envolvendo a defesa da família, da religião ou demais movimentos da direita, dizem. Até então, a política cultural vinha sendo gerida com um tom conservador, mas pragmático, com valorização de projetos classificados como importantes para a cultura, fossem de “esquerda” ou de “direita”. “Mesmo alguns convênios taxados de ‘esquerda’ foram prorrogados após análises internas classificarem as ações como boas para determinadas comunidades. Não havia distinção pura e gratuita de espectro político, desde que não fosse algo mais extremo, como incentivo a ações LGBT ou associadas a drogas e aborto”, explicou um técnico.

A própria indicação de Sérgio Camargo para a Fundação Palmares é reflexo da nova faceta da política cultural. Na Secretaria Especial de Cultura, dizem que ele está associado à Cúpula Conservadora das Américas, da qual faz parte Katiane de Fátima Gouvêa, que assumirá a Secretaria do Audiovisual (SAv). Candidata a deputada federal pelo Paraná nas últimas eleições pelo PSD, obteve 960 votos, 0,02% dos votos válidos no estado, e não foi eleita. Na pasta, dizem que, junto com Alvim, ela dá as cartas e comanda o processo de reestruturação. “Os dois são vistos sempre conversando. É dela até o relatório de ações para extinguir a Ancine”, comentou outro técnico.

Clique aqui para ler a matéria completa